Uma visão pessoal, afetiva e crítica sobre o processo de pacificação do Vidigal. “Você não sabe o que foi a guerra” é um livro editorialmente independente, mas que depende de você para se tornar uma realidade. Leia trecho e entenda como colaborar

Está no ar a campanha de financiamento coletivo do livro “Você não sabe o que foi a guerra – memórias de uma jornalista presa no Vidigal”, de Mariana Albanese, editora do Vidiga!.
Trata-se do depoimento de quem viveu de perto o processo de mudanças recentes do cobiçado morro da Zona Sul carioca, com a entrada da Unidade de Polícia Pacificadora em 13 de novembro de 2011. Mas é mais: o livro tenta fazer justiça à história deste lugar mágico, que corre o risco de se perder em meio ao acelerado processo de mudanças que vem sofrendo, com a entrada de novos investidores e moradores. Além, é claro, da enorme falta de contribuição que boa parte das matérias a respeito da pacificação deu para reforçar clichês e mentiras a respeito do Vidigal.
Vamos esquecer essa visão maniqueísta do bem e do mal, mocinho e bandido, que só existe em filmes de cowboy? Na vida real, os papéis se misturam de tal forma, que se a gente não prestar atenção, já não entende mais nada.

Financiamento coletivo?
Ao invés do processo tradicional, de procurar uma editora, aguardar meses por uma resposta e edição, o livro será publicado de forma independente, com apoio dos próprios futuros leitores.
Até 14 de setembro, você pode entrar no site do Kickante e comprar antecipadamente seu exemplar, que será entregue no dia do lançamento, em 13 de novembro, quando a UPP Vidigal faz quatro anos.

print-kickante

Além do livro, você pode optar por contribuir com valores mais altos, e tornar o projeto realmente viável, sempre recebendo recompensas em troca.
Assim, se quiser colaborar com R$ 70, leva um livro e um passeio guiado até o topo do morro Dois Irmãos. Com R$ 90, leva o exemplar, mais um tour guiado com a autora e um encontro com moradores antigos, na Loja Mundo Vidigal.
Para quem é do morro, uma cota de patrocínio tem como retorno a apresentação da marca como parceira, alguns exemplares do livro e até o logotipo na contracapa, a depender do valor apoiado.

A autora optou por fazer desta uma campanha também para o Instituto Todos na Luta, uma ONG local que ensina boxe, cidadania e cultura à crianças e adolescentes do Vidigal, com atenção para a formação de atletas profissionais. Em 2013, o ITL perdeu sua sede e chegou a dar aulas na praça de entrada do morro. Cada exemplar reverterá 10 reais para o projeto.

O importante é ter em mente que apoiar este projeto não é dar dinheiro à autora, e sim voz a mais uma versão da história recente do Rio de Janeiro, além da geralmente contada por quem tem interesse econômico nela.

Para saber mais sobre as recompensas, entre AQUI.

Para contribuir, CLIQUE AQUI.

E AQUI, um trecho de “Você não sabe o que foi a guerra – memórias de uma jornalista presa no Vidigal”.

Anúncios